All for Joomla The Word of Web Design

STJ decide não equiparar visitação de animais com guarda de filhos

A Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu nesta terça-feira (19) não equiparar guarda de animal à de filhos, mas autoriza ex-cônjuge a visitar pet após separação. No Brasil, ainda não há previsão legal sobre com quem os animais devem ficar em caso de separação de casais.

1 1 1 1 1 1 1 1 1 1

Não há previsão legal sobre com quem os animais devem ficar em caso de separação de casais. STJ decide não equiparar guarda de animal à de filhos, mas autoriza ex-cônjuge a visitar pet após separação.

A Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu nesta terça-feira (19), por três votos a dois, autorizar que, após a separação do casal, um homem visite a cachorra adquirida durante união estável.

A turma decidiu, no entanto, não equiparar visitação de animais com guarda de filhos. Mas considerou que, como há uma relação de afeto entre o homem e a cachorra, ele tem direito de visitar o animal.

Conforme a decisão dos ministros, caberá ao juiz de primeira instância regular a forma de visitação.

Atualmente, não há previsão legal sobre com quem os bichos devem ficar. A decisão não tem aplicação obrigatória nas demais instâncias da Justiça, mas servirá de base para outros juízes, uma vez que a Corte é responsável por uniformizar o entendimento das instâncias inferiores.

Ao votar sobre o caso, o relator, ministro Luís Felipe Salomão, afirmou que não havia no processo discussão sobre ressarcimento de despesas ou indenização pela  compra  do animal.

Ele afirmou que o Código Civil classifica os animais na categoria de coisas. No entanto, ele destacou que a questão é delicada porque os bichos de estimação afloram "sentimentos bastante íntimos em seus donos".

Na avaliação do ministro, não se pode tratar o animal como pessoa nem equiparar a situação com guarda de menores. Mas ele reconheceu que há uma relação especial com os animais.

"Longe de, aqui, se querer humanizar o animal, tratando-o como pessoa ou sujeito de direito. Também não há de se efetivar alguma equiparação da posse de animais com a guarda de filhos. Os animais, mesmo com todo o afeto merecido, continuarão sendo não humanos e, por conseguinte, portadores de demandas diferentes das nossas. Ocorre que não se pode fechar os olhos para a realidade social, para o vínculo afetivo formado", disse.

Segundo Salomão, no processo, ficou demonstrado que há uma relação de afeto entre o homem e o animal.

Entenda o caso

Conforme o processo, um casal de São Paulo assinou união estável em 2004 em regime de comunhão universal de bens (divisão de todos os bens já adquiridos).

Em 2008, os dois compraram uma cachorra da raça yorkshire, chamada Kimi. A união estável durou sete anos e, em 2011, eles se separaram, declarando não ter nenhum bem em comum para partilhar.

Depois da separação, o homem entrou com ação na Justiça pedindo a regulamentação das visitas à cachorra.

Ele argumentou que, "com o passar do tempo, acabou havendo intenso apego com o referido animal, surgindo um verdadeiro laço afetivo entre eles, sendo o requerente o responsável pela totalidade do valor da compra e dos gastos atinentes ao cão".

Conforme o processo, mesmo com a separação, o homem sempre visitava a cachorra, mas, depois de um tempo, a mulher passou a impedir as visitas, o que causou "intensa angústia".

O juiz de primeira instância entendeu que, apesar da "inegável relação afetiva", o animal não pode integrar relação familiar equiparada a de pais e filhos "sob pena de subversão dos princípios jurídicos inerentes à hipótese".

Ao analisar o caso, o juiz acrescentou que não poderia se falar em direito de visitação porque a mulher comprovou ser a única dona da cachorra.

O ex-marido, então, recorreu ao Tribunal de Justiça, que reverteu o entendimento. Conforme o TJ, como há omissão legislativa sobre a relação afetiva entre pessoas e animais de estimação, é possível fazer uma analogia com a guarda de menores. A visitação, portanto, foi autorizada na segunda instância.

Ela afirma que a decisão do Tribunal de Justiça é nula porque não considerou "os efeitos da coisa julgada", já que, na separação, eles disseram não ter nada a partilhar.

Para a mulher, o ex-marido poderia ter optado por manter o bem, mas não o fez. Ela também questiona a aplicação por analogia à guarda de menores, considerando que isso não deve ser feito.

Casais procuram Justiça para decidir quem fica com a guarda dos pets

O casamento acabou e, na hora de saber quem leva o quê, sobra até para o animalzinho de estimação. Saiba como fica o bichinho no meio dessa disputa.

É cada vez mais comum casais que procuram a Justiça para decidir a guarda dos pets. Como é o dia a dia de quem já vive essa realidade? E como fica o bichinho no meio dessa disputa? No segundo semestre de 2016, uma pesquisa mostrou que os cães são capazes de entender o que os tutores dizem, e, é claro, os animais de estimação também sofrem quando os casais quebram a rotina e decidem por separação. Confira na reportagem (vídeo).

Assista ao vídeo

ADOTE UM ANIMAL CARENTE!

Para adotar um amiguinho em Teresina, PI, conheça o abrigo de animais carentes da APIPA.

CNPJ: 10.216.609/0001-56 | APIPA® - ASSOCIAÇÃO PIAUIENSE DE PROTEÇÃO E AMOR AOS ANIMAIS
Rua Trinta e Oito, 1041 - Loteamento Vila Uruguai - Bairro Uruguai (próximo à UNINOVAFAPI)
Teresina, PI - CEP 64073-167 - (86) 98846-8020 - Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. - MAPA
Horário de visitação: das 14 às 16 horas, todos os dias, inclusive feriados.

Com informações do G1

Anúncio da APIPA | 03/NOVEMBRO/2018

Ajude agora! Falta JORNAL no abrigo da APIPA

Amigos, estamos sem jornal no nosso abrigo. Precisamos, com urgência, deste item de primeira necessidade. Ajude-nos agora, sem jornal não há vida digna no abrigo. Mais informações com Isabel Moura (86) 99951-0201 e Jane Haddad (86) 99924-1818..
Confira Post no Facebook

Classificação Geral (0)

0 de 5 estrelas

Postar comentário

Anexos

termos e condições.
  • NENHUM COMENTÁRIO POSTADO
    SEJA O PRIMEIRO!

Últimas No Brasil

Comentários

Gostaria de adotar um filhote de poodle...
Desde já agradeço.
Quinta, 8 Nov 2018, 16:07   
Boa noite! Estou doando um rotiwiller, de 8 anos em perfeita saúde, pois minha f...
Domingo, 4 Nov 2018, 22:07   
Minha vizinha mantém um cachorro preso 34 horas por dia ele faz barulhos ensurde...
Domingo, 4 Nov 2018, 6:34   
Oi onde eu encontro vocês em Sorocaba
Pois tenho uma denuncia a fazer perto de...
Sexta, 2 Nov 2018, 20:37   
Queria um filhote de gato que seja macho. pode ser qualquer raça.
Sexta, 2 Nov 2018, 17:05   
Parceiros Colaboradores
  • Restaurante Tomato
  • Pet House
  • Pet of Dreams
  • Criar Centro Veterinário
  • JC Adestrador
  • Clin Pet Veterinária

Newsletter

Assine a nossa Newsletter para receber os informativos da APIPA.
Cadastre-se agora. É gratuito!

Seja um sócio da APIPA

Associando-se à APIPA você vai estar praticando uma importante ação em benefício dos animais desprotegidos.

Seja um voluntário da APIPA

Venha colocar em prática as suas habilidades e o seu talento, em benefício dos animais carentes. Saiba como...